Opt GIS

Aumentando a eficiência no planejamento de estradas florestais

 

Desafio: Aumentar eficiência do planejamento florestal

A alocação correta das estradas é um processo chave para todo planejamento florestal.  São essas estradas que garantem o acesso e delimitam a área dos talhões, influenciando direta e indiretamente a eficiência na operação de diversas outras áreas como colheita, silvicultura, logística e ambiência

Uma estrada mal posicionada ou redundante desperdiça duplamente os recursos, pois além do custo de construção e manutenção, perde-se também a área de plantio que é o ativo do negócio. Pode inclusive dificultar a operação de colheita e logística, caso não sejam observadas as restrições como a declividade e fragilidade do solo para a extração e estoque de madeira.

O processo de desenho das estradas florestais é complexo no ponto de vista que além da necessidade de respeitar restrições físicas como declividade, geometria, chance de alagamento e fragilidade do solo, precisa atender e minimizar os custos de diversas outras áreas.

Enquanto minimiza os custos com construção das próprias estradas, o analista deve planejar estradas suficientes para que as máquinas de colheita mantenham a distância de baldeio em níveis aceitáveis, ao mesmo tempo que desvia das restrições físicas e ecológicas, pensando em circuitos que minimizem o aguardamento dos caminhões e garanta máximo aproveitamento das estradas cascalhadas. É um desafio e tanto!

Fazer um bom planejamento de estradas depende de bastante experiência, podendo a qualquer momento ser questionado pelas outras áreas afetadas e gerar grandes discussões sobre o que é melhor ser feito em termos de custo e benefício.

Será que existem maneiras mais objetivas de conduzir esse planejamento? Maneiras de medir concretamente o impacto técnico e financeiro de cada uma das decisões, considerando todas as áreas envolvidas?

Solução: Avaliação de cenários de planejamento

Partindo da premissa que só conseguimos melhorar o que podemos medir, a Solução OPT de Planejamento de Estradas propõe a avaliação de cenários de planejamento baseada em indicadores.

A partir de um traçado de estradas preexistente, é possível rodar nossa ferramenta de avaliação de cenário que vai revelar insights físicos importantes de fácil visualização.

As estradas azuis representam vias cascalhadas, enquanto as vermelhas indicam estradas de terra. A área azulada indica área de colheita possível para estoque em cascalho enquanto a área rosada indica estoque possível próximo à estrada de terra. As áreas amarelas indicam áreas fora dos limites operacionais da colheita, precisando da construção de novas estradas ou forçar distâncias maiores de baldeio por parte da colheita.

Através da ferramenta obtemos:

  • Limite geográfico da distância de baldeio da colheita
  • Densidade de Estradas
  • Porcentagem de Madeira no Cascalho
  • Perda de área produtiva
  • Capacidade de estoque utilizada
  • Distância Média e Máxima de Extração Utilizada
  • Outros indicadores físicos customizáveis conforme a necessidade da operação

Mas para justificar a construção, exclusão ou mudança do traçado de uma estrada um dos argumentos mais fortes são as variáveis financeiras. 

Nossa solução inclui a avaliação de:

  • Cálculo dos custos de colheita.
  • Cálculo dos custos de construção/manutenção.
  • Cálculo dos custos ambientais.
  • Cálculo final do custo em R$/m³ ou R$/ton.
  • Identificação do custo de colheita para cada metro quadrado do talhão
  • Outros indicadores financeiros customizáveis conforme a necessidade da operação

Além disso, alguns custos não financeiros, como o Custo de Água são calculados como um balizador de responsabilidade ambiental. Nesse exemplo, o custo representa quanto custaria hipoteticamente a limpeza dos rios que passam pela fazenda, considerando o volume de sedimentos das estradas que contaminam esse rio após as chuvas.

Propõe-se, portanto, dinâmica de planejar, medir e melhorar através das indicações objetivas fornecidas pela ferramenta.

O cenário abaixo revela estradas insuficientes para a colheita de toda a fazenda. As áreas amarelas indicam a necessidade de construção de estradas. Além disso há sobreposição nas áreas de extração para estradas de terra e cascalho no talhão central, indicando uma alocação pouco otimizada das estradas.

No cenário abaixo, aumentou-se o número de ramais de terra que resolveram o problema das áreas sem extração, por outro lado também elevou o custo do projeto e a densidade de estradas do bloco.

Avaliando as diferenças nos indicadores físicos e financeiros do primeiro e segundo cenário, podemos ainda traçar um terceiro balanceando as decisões de construção de estradas e distância de baldeio da colheita para alcançar um equilíbrio que faça sentido operacionalmente, baseando-se em dados.

Como os indicadores são construídos?

Para ancorar essa análise granular e aprofundada, a ferramenta Solução OPT de Planejamento de Estradas consome o máximo possível de informação dos diversos departamentos florestais do cliente. Permite uma visão holística sobre os cenários de planejamento que com altos níveis de customização

É feito todo um entendimento do funcionamento da base e das particularidades das operações florestais da empresa para a customização de uma ferramenta capaz de trazer uma avaliação de cenário o mais aderente possível com a realidade do campo.

Abaixo temos a representação de um raster de custo para a colheita de uma fazenda. Quanto mais escuro, mais cara a operação, levando em consideração declividade, VMI e distância de baldeio. Note que foi priorizado estoque em cascalho.

Conseguimos chegar no custo de colheita para cada metro quadrado do talhão.

Juntamente com os custos de estradas e de infraestrutura, é possível estimar o custo total do projeto, exibido em reais por tonelada, ou reais por metro cúbico.

Ganhos para o negócio

Os ganhos em aderir a um processo de planejamento data driven, ou seja, com decisões baseadas em dados e indicadores se mostra benéfica em vários sentidos. Entre eles:

  • Redução da densidade de estradas com ganho de área produtiva
  • Diminuição do empirismo e dos impasses entre as áreas envolvidas
  • Consolidação de padrões e critérios para o planejamento
  • Construção colaborativa entre as partes envolvidas, apoiada por indicadores
  • Rastreabilidade das informações
  • Mensuração de impactos ambientais
  • Melhoria na qualidade da informação, pois a automatização expõe os erros na base de dados.
  • Alto nível de análise técnica dos projetos

O case de sucesso da Klabin

Destacamos aqui o case de sucesso com a Klabin S.A., empresa parceira e pioneira no planejamento data driven de estrada florestaisConfira o relato de experiências que tiveram com o KplanR, a ferramenta desenvolvida pela OPT especialmente para a Klabin, que deu origem à solução de planejamento de estradas que oferecemos hoje. Trata-se de uma live organizada pelo IPEF em julho de 2020, onde a Klabin expõe, entre outras iniciativas, suas soluções para melhoria dos processos logísticos orientando suas decisões a dados.

Escrito por

Gleyson Oliveira

Função: Analista Desenvolvedor
https://www.linkedin.com/in/Gleyson Oliveira/

Sugestões para você

O planejamento de estradas florestais Quando se pensa em aumentar o retorno financeiro reduzindo os custos das operações florestais, o planejamento otimizado e aderente da …
Você sabia que o Brasil é o maior produtor global de cana-de-açúcar? A cultura passou por uma revolução tecnológica nas últimas décadas através da adoção …